Me in San Diego (PLUS VOTING!)

Okay, so it’s time to vote for the next Manual of Aeronautics art reveal. But first, my appearances at San Diego Comic Con have been finalized. There will be two signings, one panel, and two Cool Random Things. Keep reading to find out what those are.

Thursday July 12
noon-1PM
Signing at Mysterious Galaxy Booth #1119
I’ll be signing and chatting to anyone who drops by, and there will be plenty of my books for sale. SPECIAL RANDOM THING: Mysterious Galaxy may have secret advanced copies of The Manual of Aeronautics, which you can actually buy! There will be a code word or something. (Check back here to see if this becomes a real thing, rather than a thing that didn’t really happen, because I dreamt it.)

UPDATE: Yeah, this is real. Twelve copies only. First twelve peeps in line for this signing gets to buy one each. (The code word is “WEASEL-FACE”!)

Saturday, July 14
4:00-5:00PM
Me having coffee with you.
That’s right. SPECIAL RANDOM THING 2 is that during Comic Con I will announce a phone number via this blog and my twitter (@scottwesterfeld). Text the name “SCOTT” to this number to be automatically entered into a contest. The winner of this contest will have coffee with me on Saturday at 4PM, at Comic Con. Or maybe instead of coffee we will saunter across the convention floor and pose with Full Metal Alchemist cosplayers. That is the sort of thing that would be fun. (I asked, and you will NOT be signed up for spam by entering this contest. But you will received a text asking you to opt in for more “news and offers.”)

UPDATE: New rules: Just go by the Simon & Schuster booth (#1138) to find out how to enter.

Sunday July 15th
12:00-1:00PM
Room 25ABC
I’m on a panel called: What’s Hot in YA, with Kami Garcia (Beautiful Creatures series), Tahereh Mafi (Shatter Me), Lish McBride (Necromancing The Stone), Leigh Bardugo (Shadow and Bone), Melina Marchetta (The Lumatere Chronicles), Myra McEntire (Hourglass series), James Dashner (The Maze Runner series), and moderator Nathan Bransford (Jacob Wonderbar series). After the panel is another signing:

Sunday July 15th
1:30-2:30PM
Autograph area AA09 in the Sails Pavilion
Signing with me will be all the people above, plus bonus guest Veronica Rossi (Under the Never Sky). My books will be for sale here too, but I can’t guarantee there will be any Manual of Aeronautics left.

And finally, if you’re in Sydney instead of San Diego, you might want to check out my wife Justine’s book launch for Team Human:

Thursday, July 12
6:30-7:30PM
Kinokuniya Sydney
Lvl 2, The Galeries, 500 George Street
Sydney, Australia 2000

Justine will be in conversation with the lovely and talented Margo Lanagan. Come say hi! It’s free and stuff. Click here for the event details on Facebook.


AND NOW FOR THE VOTINGS

This will be the all-beastie extravaganza! Would you rather see . . .

1) The mighty Behemoth!

2) The fearsome spike-pooing flechette bat!

3) Or the all-knowing message lizard!?!

How do you even DECIDE such a thing when the choices are so awesomely Thompson-esque?

Oh right. You decide by voting—by number, please. And as always, feel free to use this comment thread to debate and inveigle your co-commenters.

Let the voting begin. See some of you at SDCC.

Fan Art Friday!

Sorry I’ve missed the last two Fridays, but at last FAF is BACK!

Okay, so Dalek Week is approaching over at Deviant Art. It runs from July 8 to 14, and is a seven-day challenge, each day with a different Deryn-and-Alek-y theme. (Click here for more details.) So I thought I’d start with a couple of entries from last year’s Dalek Week.

First here’s one from the estimable PrinceofParties, which reminds me of a certain schoolyard taunt (containing the line, “K-I-S-S-I-N-G”).

So romantic.

And here from Sorcaron, a sorta metaphorical image of Darwinist and Clanker angels:

Those wings of Alek’s have an interesting story behind them. When Keith and I were first conceptualizing the series, Keith wanted to start with portraits of Alek and Deryn. (Those portraits appear in the original Leviathan trailer, and will be in the Manual of Aeronautics, along with newer ones of Barlow and Volger.) He spent a lot of time on frames that signified the warring powers, and which began the notion of two distinct Clanker and Darwnist aesthetics. Then Sammy Yuen, the designer for the original Levaiathan cover, used Alek’s Clanker wings on the cover. Since then, that visual motif has become the symbol of the series. So it’s great to see it here in angelic-Alek form.

And here’s Deryn doing some Clanker stuff, and I have no idea whom this is from, or where it was created. Help me!

Update: It’s a Poptropica screenshot that reminded someone of Deryn in a walker, and rightly so.

And now some Japanese fan art! Thanks to Brita O. for sending these along.

Both from Pivix.net. I don’t know who did them, because the whole site’s in Japanese. But they’re really cool.

This one’s called “Thinking”:


Link to original.

And the text here says, “There’s no way jellyfish balloons can be that cute!”

Update: No it doesn’t. But supposedly some text somewhere around this picture did.


Link to original. Kawaiiii!

And now a great Deryn poster from SarahD:

And finally, here’s some rare So Yesterday fan art from Camilla. It’s called “French Revolution,” which will make sense to those of you who’ve read the book.

Okay, that’s it for this FAF. Now I have to pack for visiting my dad in Savannah and San Diego Comic Con. Can’t wait to see some of you there.

Don’t forget our Team Human chat on Sunday!

Okay, let’s see Max on more time:

And make sure to watch the sequel, because the next time I see Rick Riordan, I’m totally going to call him “Rick RiorDAN.”

Various Videos of Me

June was Audiobook Month, which I forgot, because it’s not like Halloween where everybody keeps reminding you it’s coming up (which seems unfair because audiobooks are at least as awesome as chocolate eggs). But allow me to make up for this with some Videos of Me.

First I go behind the scenes with Alan Cumming, audiobook narrator of the Leviathan series audiobooks and all-around awesome actor. (Floop! Nightcrawler! And now MacBeth!)

If you want to hear a sample of Alan actually reading the books, we can arrange that too. Click for the first chapters of Leviathan, Behemoth, or Goliath.

And lastly, here’s me in one of early prototype ads for Levaiathan. (You can see how much I’ve aged over the last three years. Touring does that.)

Hah, fooled you! Not actually me, but MaxSanKoll. A young YouTube talent who made this and a much weirder sequel, which gets bonus points for the Imogen Heap soundtrack,

Okay, return to your homes. FAF will return next Friday (or maybe Saturday) when I get to my dad’s house to chill out after my exhausting trip to New York. While there, I’ll be doing an online chat with Justine Larbalestier and Sarah Rees Brennan, co-authors of the upcoming book, Team Human. Mostly we’ll be discussing what it’s like to collaborate on a novel.

Figment.com Chat
Sunday July 8
8PM US-ET (5PM Pacific Time, 10AM Monday AUS-ET)
Click here to find out more.

Now go buy some audio books or check them out from the library, even though it’s July.

Manual Reveal 3 (Clanker Uniforms)

Welcome to part 3 of the Manual of Aeronautics art reveal. As you may recall, the voting for part 2 was very close between the Stormwalker and the Clanker uniforms. The Stormwalker won by a hair, but second place counts!

So rather than vote again, let’s just get with the Clanker uniforms. I know from my mail that lots of you cosplayers have been waiting for these color versions, so you’ll be pleased by that, and by the detail on these. (Of course, they’re a lot more detailed in the book. Computer screens have about 100 pixels per inch, but printed paper is between 600 and 1600 pixels per inch.)

This reveal shows what Alek and Volger would typically wear into battle.

Alek is wearing a typical walker pilot’s uniform. Above the waist, it’s based on the historical Austrian cavalry officer’s uniform, but the trousers and knee padding are special for pilots. You would bang the crap out of your knees and shins working in a walker, Keith surmised, and designed accordingly. (Also, Keith told me that the pilot’s pickelhaube helmet has a special foldy-downy spike, so he won’t poke his crewmates).

Volger’s is more of a classic cavalry uniform, because he wasn’t really in an armored unit. (He just got stuck riding around in the Stormwalker.) Note his crazy flat-topped helmet, which is called a schapska. Schapskas are typically worn by cavalry units that used lances, though by 1914 most of them would have switched to rifles and swords (especially in the Leviathan universe, with armored walkers roaming around). Volger doesn’t actually wear his schapska in the book, because he never appears in full dress uniform.

UPDATE
As Amo points out in comment 5 below, there is one image where Volger appears in his schapska, in Chapter 15 of Behemoth. I stand corrected!

This page in the Manual itself will also show the walker crewman uniforms, such as Klopp, Hoffman, and Bauer would wear. And there’s another two-page spread with four Darwinist air-navy uniforms (sailors, riggers, officers, and midshipmen), complete with all their various patches and equipment.

Hope you like these, and keep up the cosplay!

You can pre-order the Manual from the usual online joints: Powell’s, Barnes & Noble, Amazon, or IndieBound. And it will be at your local bricks-and-mortar store on August 21.

Fan Art Friday (At Last!)

It’s still Friday on the west coast of the US, so I give you Fan Art Friday, the technically not-late edition.

First, here’s a great video from Christina and Douglas, visualizing the Faceplay software from “Facing the Future” (Also known as Chapter 4 of Uglies).

Ugly to Pretty – WIP from Christina Hall on Vimeo.

Pretty cool, huh? I’ve always thought this would be a cool scene in the movie.

If my embed isn’t working for you, click here to check it out on Vimeo (and slightly bigger!).

And next, a very amusing cartoon from Soraia, riffing on the Perils of Pauline chapter in Goliath:

That whole chapter came about because I was researching William Randolph Hearst, and found out that he was behind the Perils of Pauline series of films, which began in 1914. So I decided to watch them, and discovered that in the very first one, the eponymous heroine gets blown away in a hydrogen balloon, not unlike a certain Scottish cross-dresser! So I just HAD to show Alek seeing the movie as part of his education that girls could do cool stuff.

Though I’d like to claim that I planned this symmetry between books 1 and 3 from the beginning, it’s merely a coincidence. But it proves that if you do your research, you will be rewarded. And coincidence or not, I’m super glad to see it pop up here in fan art form.

The dialog in this comic is quite funny, so click here to see it bigger and zoomable.

Here from Carly is some rare Midnighters fan art, showing Jessica at a certain climactic moment in Blue Noon.

That’s a scene that I had planned from back in book 1, as you will see if you look at chapter 4 of The Secret Hour. Sometimes I am good at first-shoeing things.

And here from MoonieBalloonie, a pensive-looking Lilit:

I always love how distinctive Lilit is, thanks to her cool Armenian attire.

And finally, from Victoria, some Dalek!

Okay, I’m headed to America soon, so I must go pack or whatever. (My only public appearance will be at Comic Con.)

Hope you all have a good weekend.

Manual Art Reveal 2 (Stormwalker)

There was flu here at Casa Larbfeld South this weekend, so FAF is taking another holiday. SORRY. But you’ll get lashings of fan art this coming Friday.

I’ve never seen the Manual of Aeronautics art reveal voting so close! I might have to actually count the votes by hand, AND THIS WOULD BE HARD.

So let’s just say this: today we do the Stormwalker, and in a couple of weeks the Clanker uniforms (AKA Cosplay Color Guide). And I’ll keep the Sultan’s Elephant in the running for the next vote.

Okay? Okay.

Then here is . . . the Cyklop Stormwalker, revealed!

Image by Keith Thompson. Click here for the BIGNESS. You know you want to.

As you may know, the images for the Manual were first created as world-building exercises. In other words, they started life guides for my writing and Keith’s future illustrations, and only later became fodder for The Manual of Aeronautics.

I first saw this one very early on, about halfway through Leviathan. Until that moment I hadn’t realize how cramped the Stormwalker would have to be, especially with five people riding around in it. Seeing this cutaway changed the whole way those interior scenes were written, because it was so cramped. (No crossing of legs or waving of arms. Just constrained movements and facial expressions?)

But seriously, just imagine riding around in this thing for weeks on end. It would be super oppressive and make everyone cranky. I hope I got that across.

BONUS WRITING ADVICE: I recommend that all you aspiring novelists to create visual aids like this. Even if your book is set in a regular civilian house, making a floor plan can be incredibly useful. Even if your readers never see these plans, they’ll sense whether you know how your world is put together or not.

For example, seeing this cutaway made me add the bit where Volger sticks his head out and then prods Alek with his feet. So it was good not only for atmosphere, but also for a moment of comedy between the two.

Note that this isn’t the only image of the Stormwalker in the Manual. There will also be:

1) Two outside images, comparing Alek’s Hapsburg House Guard Stormwalker to the standard Austrian Army issue.

2) An interior image, showing how the controls work!

Okay, see you Friday, and probably before then. The cover of part 2 of the Uglies manga Cutters should be here soon.

Manual Art Reveal 2

It’s time to vote again for the next art reveal from The Manual of Aeronautics, the four-color all singing and dancing art supplement to the Leviathan series. This time we’re going Clanker!

Here are the three possibilities:

1) The Sultan’s elephant walker

2) An interior cutaway of the Stormwalker

3) And for you cosplayers, Alek’s and Count Volger’s uniforms in full color!

Use this comment thread to argue and discuss all you want, but please vote by number.

Other News

If you’re age 18 to 25 and live in Queensland, Australia, the State Library is running a Young Writers Award competition that you might be interested in. It has a first-place cash prize of $2,000, and also lots of runners-up prizes, including a 12-month youth membership to Queensland Writers Centre. Any story length of up to 2500 words is acceptable.

You can find more info by clicking here.

Vote early and often!

Goliath Bonus in Portuguese

A Portuguese fan named Guilherme Pires has kindly translated the post-Goliath Bonus Chapter I wrote last year. Huge thanks to him for this service. I hope that all you Portuguese-speakers out there enjoy it.

(NOTE BRAZILIANS, this is a huge spoiler, because Leviathan isn’t out yet, but will be in two months!)

Anyway, here we go . . .


– Esta situação é absurda – disse Alek.

– Pela qual apenas se pode culpar a si –?Esboçando um ligeiro sorriso, o Conde Volger recostou-se no sofá de veludo púrpura do quarto de hotel. – Avisei-o para não fazer aquela aposta.

– Era uma questão de princípio!

– Ah, jovem príncipe, ou Sr. Hohenberg, se faz tanta questão, será que nunca irá aprender que quando se trata de um julgamento por combate, não há princípios? Apenas força bruta.

Alek deixou o espelho e virou-se para lançar um olhar frio ao conde. – Um julgamento por combate? Muito engraçado – Suspirou ele. – Eu realmente não pensei que ela me pudesse derrotar.

– Miss Sharp passou vários meses a escalar às enfrechaduras. Calculo que faça maravilhas pelos músculos.

Alek assentiu, esfregando o ainda dorido bicep direito. Tinha mesmo sido uma batalha. Um verdadeiro julgamento por combate!?Num instante, ele e Deryn estavam a ter uma discussão perfeitamente razoável sobre os méritos dos dois sexos, força, resistência, tolerância à dor, e subitamente ele tinha dito algo imperdoável e Deryn estava a desafia-lo para um braço-de-ferro.

Ser derrotado por ela não teria sido assim tão mau, afinal ela era Deryn Sharp, mas Alek tinha ido demasiado longe e feito aquela aposta idiota.

Se ao menos esta festa de Final de Ano não fosse um baile de máscaras. Nunca irei entender a adoração que os britânicos têm por disfarces. Todos os funcionários da Sociedade Zoológica de Londres andaram a palrar durante vários dias sobre os disfarces que iriam usar. A maioria iria como monstrinhos, ou grandes cientistas famosos, ou caricaturas de figuras modernas como políticos ou clérigos dos Macacos Ludistas. Outros iriam ficar-se pelos disfarces mais clássicos: anjos, demónios, Grécia antiga, ou fadas do bosque.

Como novatos na Sociedade, tanto ele como Deryn tinham estado algo ansiosos quanto à escolha dos seus disfarces. (E para Alek, toda aquela coisa dos disfarces parecia-lhe francamente vulgar, mesmo agora que ele já tinha renunciado a toda a sua herança e pretensões de realeza.)

Portanto, um braço-de-ferro tinha parecido uma ideia brilhante para resolver aquele assunto, pelo menos para um deles. E tal como o Conde Volger lhe continuava a lembrar, a aposta tinha sido uma ideia inteiramente sua.

Até teria sido divertido, se ao menos ele não tivesse perdido. Então seria Deryn e não ele a usar um vestido. Ele tinha de admitir que a sua própria curiosidade o tinha precipitado para aquela aposta imprudente. Como ficaria Deryn com vestuário adequado ao seu próprio género?

Não que ele se importe de a ver de calças e blusão todos os dias. Parte do apelo da sua relação, assentava no facto de ele saber algo sobre ela que apenas mais meia dúzia de pessoas sabiam. Mas mesmo assim, ele estava tão curioso como qualquer rapaz na sua situação estaria.

– Este faux-cul está no sítio correcto?– Perguntou ele.?– Há apenas um único sitio para usar um faux-cul, Alek.

E é exactamente esse – Gracejou o conde Volger. – Não lhe parece . . . desnecessariamente grande?

– Certamente uma interrogação com a qual as mulheres se vem defrontando há décadas.

– Não seja impertinente, Conde. Eu estava a falar do faux-cul – Disse Alek enquanto endireitava os laços que se espalhavam praticamente por todo o vestido. – E eu não estaria tão pronto a gozar com os outros se estivesse disfarçado de lagarto mensageiro.

O Conde Volger olhou para o focinho reptilineo de papel machê que se encontrava ao seu lado no sofá. Então, com um encolher de ombros, agarrou na máscara e colocou-a na cabeça. Era pintada de castanho mosqueado com realces de verde, imitando na perfeição as cores de um lagarto mensageiro ao serviço do Serviço Aeronáutico. A cara do conde espreitava por entre as mandíbulas da monstruosa máscara.

– Devemos estar sempre prontos para um pouco de brincadeira, vossa Já-Não-Tão Sereníssima Alteza – Volger ergueu o copo e, manobrando-o por entre as mandíbulas, bebeu um gole.– De outro modo a politica tornar-se-ia intolerável.

Alek olhou mais de perto para o conde. As suas bochechas estavam um pouco rosadas, e a garrafa de champanhe ao lado do sofá estava praticamente vazia.

– Está embriagado, conde?

Volger riu-se, e saboreou mais um gole. – É Véspera de Ano Novo, Sr. Hohenberg, e de forma a granjear os favores da organização mais misteriosa do mundo, estou disfarçado da criatura mais inquietante da história da fabricação de monstrinhos. Uma vez que me estou prestes a lançar numa festa cheia de cientistas e agentes secretos, eu não diria que estou embriagado, meramente fortificado.

– Realmente – Alek voltou-se de novo para o espelho, perguntando-se quão mais fortificado o Conde Volger estava a planear ficar esta noite.

Desde que Alek se tinha juntado à Sociedade Zoológica, que o conde não sabia bem o que fazer com o seu tempo. A guerra estava a acalmar, com o Kaiser a perceber que os inimigos eram demasiado numerosos, agora que os EUA tinham entrado na guerra. Havia rumores de uma conferência de paz no início de 1915, conversações que deveriam acabar de vez com a luta entre Darwinistas e Clanker, ou pelo menos reduzi-la de carnificina à escala mundial para uma saudável competição entre tecnologias.

Sem guerra para influenciar e sem príncipe para elevar ao trono do império Austro-húngaro, os dois principais objectivos da vida de Volger tinham subitamente desaparecido. Os Austríacos iriam lembra-lo como aquele que levou para longe o seu jovem herdeiro, portanto voltar para casa seria difícil, e o Reino Unido estava demasiado cheio de monstrinhos ateus para o seu gosto.

E no entanto. . .

– Granjear favores? – Perguntou Alek, agarrando no guarda-sol que a Deryn tinha escolhido para ele. Pelo menos combina com a cor do vestido. – Porquê importar-se com aquilo que a Sociedade Zoológica pensa de si, considerando aquilo que pensa deles?

– Poderei necessitar deles futuramente –?O conde soava agora bastante sóbrio. – Sabe, eu tenho uma grande admiração e respeito pela natureza, e chegará o dia em que criaturas fabricadas fora de controlo poderão representar um perigo para a vida selvagem natural e os seus habitats. A Sociedade pode vir a ser muito útil neste tema.

Alek arqueou uma sobrancelha. Ele nunca tinha pensado em Volger como um preservacionista, já que tinha morto pelo menos duas centenas de veados com o arquiduque, o pai de Alek. Claro que quando o jovem Volger coleccionava troféus de caça, existiam vastas áreas selvagens no coração da Europa. Actualmente essas áreas estavam muito mais reduzidas.

– Já ouvi falar disso – disse Alek. – Pragas de rãs- papagaio à solta na Austrália, a palrarem com sotaques engraçados. Parece algo inquietante.

– Não tanto como esses saltos – disse Volger, quebrando toda a seriedade da conversa. – Mas uma aposta é uma aposta Sr. Hohenberg.

A festa de Final de Ano da Sociedade Zoológica de Londres era no andar abaixo ao quarto de Alek, no

salão de baile principal do Hotel Savoy. Alek ficou surpreendido e um pouco alarmado por ver a quantidade de gente que vinha à festa. Ele tinha assumido que a assistência para a sua humilhação seria limitada a membros efectivos da Sociedade, uma dúzia de cientistas e talvez duas dúzias de tratadores e treinadores de animais. Mas o grande salão de baile estava praticamente cheio, com mecenas, apoiantes políticos, e agentes especiais da Sociedade, como ele e Deryn, bem como as suas esposas, convidados e outros penduras.

– Oh meu deus! – disse Alek.

– Realmente – resmungou Volger através das mandíbulas da sua cabeça de lagarto. – Talvez tivesse sido mais sensato usar uma máscara.

– Isso seria batota – Alek respirou fundo, colocou o guarda-sol ao ombro como se fosse uma espingarda e avançou por entre a multidão.

Ele sentia-se absurdamente evidente, e bamboleante naqueles saltos altos, mas ninguém na sala pareceu reparar nele. Surpreendentemente, o seu disfarce era dos mais ligeiros. A quantidade e o nível de elaboração dos disfarces de criaturas fabricadas era tal que um rapaz num vestido não chamava minimamente a atenção. O velhinho director da Sociedade, Dr. Spenser, tinha um autentico ascensor Huxley a pairar por cima dele, concebido de uma espécie de tela pintada colocada por cima de uma nuvem de balões. O director acenou a Alek e Volger, e começou a avançar para eles, mas apercebeu-se que o seu Huxley flutuante ficou preso num candelabro. Vários assistentes apressaram-se a ajudar a desprender o disfarce. Alek puxou o conde para uma retirada apressada, só para o caso dos balões estarem cheios de hidrogénio em vez de hélio.

Ele procurou por Deryn na multidão. Seria melhor revelar o seu disfarce o mais rapidamente possível. Ele perguntou-se que disfarce teria ela escolhido, esperava que não incluísse uma máscara. A ideia de ela o ver vestido daquela forma já era irritante o suficiente, sem que ela o espiasse escondida aos risinhos por detrás de uma máscara.

– Alek? – Surgiu uma voz da multidão. – Céus, esse ao seu lado é o conde?

Alek virou-se e fez uma pequena vénia. – De facto, Dra. Barlow.

A cientista estava vestida como um anjo vingador, com grandes asas emplumadas e uma espada de madeira prateada. Tinha um aspecto aterrador. Ao seu lado, Tazza tinha um pequeno halo prateado na cabeça.

A Dra. Barlow olhou Alek de alto a baixo – Talvez uma reverência fosse mais apropriada.

– Infelizmente, o meu instrutor de dança nunca me ensinou como se faz.

– Certamente que o Sr. Sharp o poderá ajudar.?O lóris empoleirado no seu ombro, que estava vestido

como um querubim, riu–se e disse, – Sr. Sharp.

Alek lançou a ambos um duro olhar. A Dra. Barlow era a outra pessoa na Sociedade Zoológica que sabia o segredo de Deryn. Não parecia muito sensato estar a expor este assunto de qualquer forma, por mais subtil que fosse, numa sala cheia de colegas seus.

Muito dificilmente – disse Volger. – O Sr. Sharp é demasiado viril para esse tipo de coisas.

A Dra. Barlow arregalou os olhos. – O lagarto fala!

– O lagarto apenas repete aquilo que ouve – disse Volger tocando na sua orelha. Ele estendeu-lhe a mão. – A doutora dança?

– Claro, é tão raro ter a oportunidade de dançar com um réptil – Ela acenou a Alek. – Boa noite, Sr. Hohenberg.

O par afastou-se a rodopiar para a pista de dança, com Tazza a segui-los depois de Alek lhe ter dado uma pancadinha na cabeça.

Onde estaria Deryn? Ela sempre tinha chegado cedo a todas as festas a bordo do Leviatã. Sem dúvida que devia estar escondida por detrás de uma mascara algures, observando Alek nos seus saltos altos a girar o guarda-sol.

Enquanto Alek observava a multidão, uma estranha aparição surgiu diante dele. Tinha uma cabeça de pássaro, grandes garras de gato e estava todo coberto por um manto amarelado de pêlo felpudo.

– És tu Dylan? – Perguntou ele.

– Eu não sou nenhum paquete – respondeu o bico de pássaro com uma voz familiar, e então uma das garras alcançou a mascara para a retirar. – Eu sou um magnífico grifo!

Alek recuou hesitante. Por detrás daquele bico de pássaro estava Adela Rogers, a jovem repórter americana que se tinha juntado ao Leviatã na sua passagem pela Califórnia.

Mas o que faria ela ali em Londres, e o que estava a fazer um jornalista numa festa privada da Sociedade?

Especialmente numa festa onde Alek se encontrava vestido de mulher.

Pelo menos ela não era daqueles jornalistas que traziam sempre uma máquina fotográfica, como o insuportável Eddie Malone.

– Calculo que agora já me reconheça, príncipe Aleksandar.

– Realmente, Miss Rogers. No entanto já não sou nenhum príncipe.

– Ah, sim, agora é Sr. Hohenberg, certo?

– Ao seu serviço – Disse Alek tentando desajeitadamente fazer uma reverência.

A repórter sorriu. – Estou a ver que esta noite não é bem um senhor.

Alek encolheu os ombros – Suponho que um baile de máscaras tenha a sua quota-parte de momentos embaraçantes. Mas uma vez que agora já não pertenço à realeza talvez um pouco de humildade seja adequado.

– Oh, eu não diria que esse vestido é humilhante, Sr. Hohenberg. Muito pelo contrário, até é bastante lisonjeador.

– Obrigado – Alek fez uma pequena vénia desta vez. Saía-lhe de forma mais natural, mesmo com o faux-cul a atrapalhá-lo.

Por momentos, ele interrogou-se sobre a quantidade de ajustes, tanto pequenos como grandes, que Deryn deve ter feito para conseguir levar por diante o seu embuste. O modo como ela andava e falava, bem como todas as nuances de comportamento social, tudo isso tinha de ser repensado a cada segundo de cada dia. Era incrível que ela tivesse conseguido ser bem sucedida em algo tão difícil, apenas com a ajuda do irmão Jaspert e com o seu próprio instinto para a guiar.

Deryn era verdadeiramente espantosa, e valia definitivamente a pena abdicar de um império por ela.

– Mas, se me permite uma pergunta – Disse Miss Rogers enquanto tirava o bloco de notas. – Afinal, de quem é que é suposto estar mascarado?

– Ah – Disse Alek engolindo em seco. Depois sua derrota agoniante no braço-de-ferro e no meio de toda a confusão de tentar encontrar um vestido para usar, tinha-se esquecido desse pequeno pormenor.?Não podia simplesmente dizer a esta jornalista que tinha perdido uma aposta, e a ideia de ela escrever no jornal que ele tinha ido a uma festa vestido de mulher era algo inquietante.

Ele procurou desesperadamente por uma resposta, e subitamente encontrou.

– Estou vestido de Ada, condessa de Lovelace – disse ele. – Uma das maiores cientistas Clanker do ultimo século.

Miss Rogers olhou perplexa por um momento. – Não sei se me recordo dessa condessa. Uma cientista Clanker? Mas o nome soa bastante britânico.

– Sim, e o seu trabalho está no cerne de todos os motores mecânicos analíticos. O sistema de equilíbrio do meu Trovão, por exemplo – Enquanto falava, as mãos de Alek agarraram comandos imaginários. Já tinha passado demasiado tempo desde a última vez que pilotara um marchador. E tinha esperança que a primeira missão dele e Deryn fosse num pais Clanker, onde talvez pudesse ter oportunidade de pilotar de novo.

– Estou a ver – Disse Miss Rogers escrevinhando com o seu lápis. – Um pouco semelhante a si, ela conseguiu atravessar as linhas de combate. Um súbdito da rainha, mas simultaneamente uma Clanker. Uma mulher, mas um cientista.

Alek assentiu, aliviado por ter encontrado uma escolha tão adequada – Tal como eu tive nascimento nobre e fui criado um Clanker, mas estou agora aqui como um simples Darwinista.

Ela sorriu. – E um rapaz num vestido de mulher. Acho que o começo a entender, Sr. Hohenberg.

– O que quer dizer com isso?

– Bem, deve saber que deixou muita gente perplexa com a sua nova profissão – Ela olhou em redor, para todos os disfarces de monstrinhos, animais, e bestas grotescas.

– Parece uma estranha vocação para um ex-herdeiro real. Aliás é mesmo por isso que vim para Londres. Para dar seguimento a essa linha de investigação.

– Não quer antes dizer que veio para me espiar? – Comentou Alek arqueando uma sobrancelha.

– Pode dizer-se que sim – Disse Miss Rogers com um sorriso. – Parece-me que há algo que não encaixa bem na história do Príncipe Aleksandar de Hohenberg, que trocou a sua coroa por um lugar como tratador de animais no zoológico. Certamente que deve haver algo que não sabemos sobre a Sociedade. Ou talvez sobre si próprio?

Alek encolheu os ombros e fez girar o seu guarda-sol. – Vou ficar de olho em si, Sr. Hohenberg.

– Tenho a certeza que será um prazer ser o alvo da sua atenção – Disse Alek com uma pequena vénia. – Mas por agora vai ter de me desculpar.

Ele afastou-se por entre a multidão sem esperar por uma resposta, porque perto de uma gigantesca escultura de gelo de Charles Darwin a domar um tigresco lupino, tinha avistado uma cabeça loira por entre os disfarces. Era definitivamente Deryn e ela não estava a usar nenhuma máscara.

Claro que Deryn usava uma máscara todos os dias, o disfarce de rapaz era uma constante na sua vida. Para ela ir a um baile de máscaras não devia precisar de mais nada a não ser as suas calças e blusão habituais.

Obviamente que insistir numa atitude dessas só iria contribuir para revelar o seu segredo.

Alek foi avançando aos encontrões pela multidão, ultrapassando um Spring-Heeled Jack e um Ned Kelly, o famoso bandido com o seu elmo de ferro. O cabelo loiro de Deryn apareceu novamente à sua frente, mas estava a afastar-se. Teria ela reparado que ele se aproximava e decidido encenar uma perseguição?

Finalmente, a multidão afastou-se e ele ficou cara a cara com Deryn Sharp. Quando reparou no seu disfarce, Alek ficou paralisado com um ar de espanto estampado na cara.

– Mas eu . . . – Balbuciou ele. – Você ganhou a aposta, eu é que perdi.

– Pois claro que ganhei. – Disse ela flectindo o braço para mostrar o músculo. – Mas nunca dissemos que o vencedor não podia vestir o que quisesse. E nós achámos que se iria sentir menos embaraçado se não fosse o único rapaz metido num vestido.

Alek olhou-a de alto a baixo. Deryn tinha uma espécie de vestido de noite que estava muito na moda entre as jovens citadinas, com um franjado nas costas e um cinto largo na cintura. Longos colares de contas envolviam o seu pescoço, enfiados no seu cinto ou pendurados pela altura das suas coxas.

Empoleirado na sua cabeça tinha um chapéu justo com uma longa pena de pavão a projectar-se para trás.

Olhando para o seu próprio vestido, demasiado formal e fora de moda com os laços e o faux-cul, Alek sentiu-se deselegante, enquanto Deryn estava cheia de estilo. O cabelo curto e figura esguia, o cerne do seu disfarce de aspirante, de repente já não pareciam tão masculinos como isso.

Ele questionou-se se algum dia as mulheres iriam usar cabelo assim tão curto. Certamente isso nunca aconteceria, mas ele tinha de admitir que o efeito era estranhamente atraente.

Então ele apercebeu-se do que Deryn tinha dito. – Nós ?

– Sim, nós os dois – Ela estalou os dedos, e Bovril bamboleou-se até eles vindo detrás da mesa com a escultura de gelo.

Alek arregalou os olhos ainda mais. O lorís perspicuo também estava disfarçado, num vestido de estilo nitidamente francês sem costas. Na verdade a criatura assemelhava-se a uma pequena boneca Pierrot.

Bovril levantou os olhos para Alek, e disse entre risos, – Rapaz num vestido.

Deryn abanou a cabeça – Francamente Alek, esperava que aparecesse com algum um pouco mais moderno.

– Foi você que escolheu o guarda-sol – disse Alek a rodopia-lo. – Tive de arranjar um vestido que combinasse!

– Pois, mas não está tão atraente como eu esperava. Mesmo assim é agradável vê-lo sem os seus velhos trapos Clanker. Agora que já não é o raio de um príncipe, devia mesmo actualizar o seu guarda-roupa.

Alek arqueou uma sobrancelha. – Podia-me ter dito que ficava contente com um simples casaco novo.

– Sim, qualquer coisa que não se pareça com um velho uniforme de cavalaria!

Alek suspirou. Desde que renunciou ao trono, ele praticamente não tinha dinheiro, apenas o pequeno salário pago pela Sociedade. Duvidava que o tio-avô, o Imperador, lhe mandasse algum tipo de abono nos tempos mais próximos. Portanto, tudo o que ele tinha para vestir eram os seus uniformes militares e o fato de cerimónia que o Sr. Hearst lhe tinha providenciado. Também tinha, é claro, algumas peças que tinha comprado em Istanbul, mas não eram muito apropriadas para usar em Londres. Este vestido tinha sido arranjado pela esposa de um dos cientistas da Sociedade, que não andava propriamente na moda nem era tão nova como isso.

– Pelo contrário, você está verdadeiramente deslumbrante – elogiou ele com uma vénia.

– Sim, ser enfiada num vestido não é tão mau como eu me lembrava – Deryn ofereceu o seu braço. – Vamos?

Alek, fez sinal a Bovril, que saltou imediatamente para os seus braços.

– Claro que sim, mas para onde?

– Há um pequeno vestiário ali ao lado, onde alguns dos cientistas deixaram as suas roupas normais. Está fechado, mas eu tenho a única chave – Deryn olhou-o de alto a baixo novamente. – E uma garrafa de champanhe, se a senhora aceitar beber um copo com um antigo aeronauta.

– Asseguro-lhe que não estou minimamente preocupado com as suas intenções, Sr. Sharp – Disse Alek.

– É bom saber isso, Sr. Hohenberg. Pois as minhas intenções são claras como água – E ela levou-o para longe daquela multidão de monstrinhos, bestas e aberrações, em direcção a algum sítio seguro e privado. Um sítio onde não importa quem está a vestir o quê.

Bovril, empoleirado no seu ombro, deu mais uma risota. – Sr. Hohenberg – disse a criatura.


Mais grandes.

Fan Art Friday

I have had interesting news about my work in progress this week, but it’s all super secret. It’s pretty cool, though, and you will all hear it about one day.

One day soon? MAYBE. Maybe one day somewhat less soon. But one day. I PROMISE.

Let me just say that things they are a-brewin’.

In the meantime, it’s time for FAF! Let’s do this.

We begin with some cool 3-D projects. First is a Clanker lamp from Kirsten. Here it is, both in its raw form and with the shade on:

Like I’ve often said, one of my favorite things to come out of Keith’s illustrations is the sense they give of Clanker and Darwinist physical culture. Not just machines and beasties, but simple things like desks and lamps. So thanks to Kirsten for following that vision.

And here’s Haley’s cool Leviathan-wing ring:

The wing wasn’t entirely Keith’s creation. It was something that the designer of the hardback cover of Levaithan, Sammy Yuen, put together from pieces of Keith’s art.

Speaking of wings, here’s Kaitlyn’s cool shot of Deryn using her body-kite outfit:

Nice. Love the color scheme, and the fact that it makes Deryn look a bit like the shot of Lilit from Behemoth.

And here’s another one from Kaitlyn with that always favorite theme: hangin’ on the ratlines:

And from Patricia, a blow-up of A CERTAIN CREATURE WEARING A CERTAIN COMEDY COSTUME PIECE. SEE IF YOU CAN GUESS BEFORE LOOKING.

Okay. I think you were right:

And finally some Uglies action, a cityscape of New Pretty Town from Trenton:

What I love about this is that it calls to mind the classic Saul Steinberg image of how New Yorkers see the world:

Well, played, Trenton!

Thanks to everyone for a stimulating FAF.

Manual Art Reveal: The Bridge

Here is the first of the art reveals for the upcoming Manual of Aeronautics, the all-color, large-format technical drawings and deck plans for the Leviathan series.

As you voted for, it’s a top-down image of the Leviathan‘s bridge, showing the controls, the aviary, the coding table, and the message lizard tubes. I was also surprised when I got this from Keith the first time, and saw that amazing pattern on the bridge floor. Very Edwardian, like something you’d see on the Titanic.

Click here to see it bigger, and of course it will be EVEN BIGGER in the Manual of Aeronautics!

You can pre-order it (the Manual, not an actual bridge) now from the usual online joints: Powell’s, Barnes & Noble, Amazon, or IndieBound. And it will be at your local bricks-and-mortar store on August 21.

Also, thanks to everyone who came to my and Justine‘s Sydney Writers’ Festival event. You were an incredibly attentive standing-room-only crowd, and we had a great time. Thanks to SWF for having us, and for treating us so well.

Ciao till later this week, when there will be more Russian covers! (And Fan Art Friday, naturally.)